Uncategorized

Cúpula da Paz no Cairo termina sem avanço sobre Gaza

Líderes árabes e ocidentais participam de cúpula no Cairo para debater conflito entre Israel e o Hamas
Foto: Presidência do Egito/Divulgação via REUTERS

Cairo – Líderes árabes em uma cúpula no Cairo, realizada neste sábado (21), condenaram o bombardeio israelense contra Gaza, enquanto os europeus disseram que civis precisam ser protegidos. Com as ausências de Israel e de autoridades de primeiro escalão dos Estados Unidos (EUA), não houve acordo para conter a violência.

O Egito, que convocou e sediou a reunião, disse que esperava que os participantes defendessem a paz e a retomada de esforços para resolver a busca de décadas dos palestinos por um Estado.

No entanto, a reunião terminou sem que líderes e ministros das Relações Exteriores concordassem com um comunicado conjunto, após duas semanas do conflito que matou milhares e provocou uma catástrofe humanitária no enclave bloqueado de Gaza, com 2,3 milhões de pessoas.

Diplomatas que participaram das conversas não estavam otimistas de que haveria um avanço, com Israel preparando-se para invadir Gaza por terra a fim de eliminar o grupo militante palestino Hamas, que se infiltrou em suas cidades em 7 de outubro, matando pelo menos 1.400 pessoas.

O Ministério da Saúde de Gaza informou hoje que os ataques aéreos e com mísseis de Israel mataram pelo menos 4.385 palestinos desde o ataque do Hamas.

Enquanto países árabes e muçulmanos cobraram o fim imediato da ofensiva de Israel, os ocidentais expressaram objetivos mais modestos, como alívio humanitário para os civis.

O rei Abdullah, da Jordânia, denunciou o que chamou de silêncio global sobre os ataques de Israel, que mataram milhares em Gaza, área controlada pelo Hamas, e deixou mais de 1 milhão de pessoas sem moradia. Ele cobrou uma abordagem imparcial para o conflito entre israelenses e palestinos.

“A mensagem que o mundo árabe está ouvindo é que as vidas palestinas importam menos que as israelenses”, disse, acrescentando que estava ultrajado e em luto pelos atos de violência contra civis inocentes em Gaza, na Cisjordânia, sob ocupação israelense, e em Israel.

O presidente palestino, Mahmoud Abbas, afirmou que os palestinos não serão deslocados ou expulsos de suas terras.

“Não iremos embora, não iremos embora”, disse ele na cúpula.

A França defendeu um corredor humanitário para Gaza que, segundo ela, poderia levar a um cessar-fogo. Reino Unido e Alemanha pediram que o Exército de Israel se contenha, e a Itália disse que é importante evitar uma escalada.

Para o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, o principal objetivo da cúpula foi “ouvir uns aos outros”.

Cessar-fogo

A reunião teve o objetivo de discutir como evitar uma guerra regional mais ampla. Mas diplomatas sabiam que um acordo seria difícil por causa das sensibilidades em torno de pedidos por cessar-fogo e sobre incluir menção ao ataque do Hamas e ao direito de Israel de se defender.

Estados árabes temem que a ofensiva possa retirar permanentemente os habitantes de Gaza de suas casas e até levá-los aos países vizinhos – como quando os palestinos fugiram ou foram forçados a deixar suas casas na guerra de 1948, após a criação de Israel.

O presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sisi, disse que seu país é contra o que chamou de deslocamento de palestinos para a região do Sinai, predominantemente desértica, acrescentando que a única solução era um Estado palestino independente.

A Jordânia, casa de muitos refugiados palestinos e seus descendentes, teme que um conflito mais amplo dê a Israel a chance de expulsar palestinos em massa da Cisjordânia.

 

Com informações da Agência Reuters

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *