POLITICA

Ministro da Fazenda, Fernando Haddad, viajará à China para negociar ajuda financeira à Argentina

A pedido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, está se preparando para uma nova viagem à China no final de maio. O objetivo da visita é acertar os detalhes da negociação de ajuda financeira à Argentina, país que enfrenta uma grave crise econômica. Haddad já havia acompanhado o presidente Lula em uma visita à China no mês de abril.

O ministro da Fazenda está programado para embarcar no dia 27 de maio e retornar ao Brasil entre os dias 1º e 2 de junho. Durante sua estadia na China, ele participará de reuniões com a presidente do Banco dos Brics (NBD), a ex-presidente Dilma Rousseff, nos dias 30 e 31, além de se encontrar com todos os ministros de Finanças dos países do Brics.

No início deste mês, o presidente argentino, Alberto Fernández, esteve em Brasília para reuniões com Lula e Haddad. Na ocasião, o governo federal indicou a possibilidade de oferecer linhas de crédito aos empresários brasileiros que exportarem para a Argentina.

Fernando Haddad já discutiu a crise argentina com representantes do Fundo Monetário Internacional (FMI) e dos Estados Unidos durante sua participação no G7 Financeiro, realizado no Japão. O FMI comprometeu-se recentemente a fornecer um programa de socorro à Argentina, com um valor total de US$ 44 bilhões a serem pagos ao longo de 30 meses, condicionado à adoção de medidas para combater a inflação. Até o final do ano passado, já haviam sido desembolsados US$ 23,5 bilhões. Ao ingressar nas negociações, Haddad atende a um pedido do presidente Lula.

Além da preocupação econômica, devido à importância da Argentina como um dos principais parceiros econômicos do Brasil, ficando atrás apenas da China e dos Estados Unidos, há também uma questão política. O governo brasileiro entende que interceder pela Argentina junto ao FMI e outros organismos internacionais reforça a posição do Brasil como líder do continente perante o mundo.

A Argentina enfrenta uma crise econômica grave, com o valor do dólar atingindo recordes em relação ao peso argentino. A inflação no país está em 104% ao ano, o maior percentual em 30 anos. Recentemente, o presidente Alberto Fernández anunciou que não buscará a reeleição, citando as dificuldades enfrentadas pelo país, como a pobreza, a baixa renda e a pior seca em um século.

Lula e Alberto Fernández são aliados políticos e já demonstraram apoio mútuo em várias ocasiões. Fernández esteve presente na posse de Lula em 1º de janeiro deste ano e visitou o ex-presidente enquanto ele estava detido em Curitiba, devido a uma condenação na Operação Lava Jato. Em janeiro deste ano, Lula fez sua primeira viagem internacional como presidente do Brasil, visitando Buenos Aires, onde ambos os líderes defenderam a criação de uma moeda comum.

Foto: Fábio Vieira

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *