OPINIÃO

O papel da observabilidade no Governo para a oferta de melhores serviços para a população

Por Fernando Mellone, Diretor da Dynatrace

Entender para onde o mundo está caminhando e buscar maneiras de inovar são os grandes desafios dos serviços públicos. Não há dúvidas que a transformação digital está mudando completamente a forma como a população mundial vive, trabalha, consome serviços e interage. Em todos os níveis (Federal, Estadual ou Municipal), a capacidade da administração pública de responder à digitalização e de criar processos e prover serviços mais convenientes, colaborativos e inclusivos é determinante para sustentar a confiança dos cidadãos.

Nesse ambiente, a observabilidade funciona como um moderno sistema de GPS capaz de melhorar a condução e a assertividade da jornada governamental rumo à digitalização. Realizando o gerenciamento inteligente do desempenho de todos os sistemas e operações de TI e tendo capacidade de apontar reparos à distância de forma automática, a observabilidade pode estar no centro dos Governos para aumentar a resiliência dos órgãos públicos, apoiar na tomada de decisões, tornar as operações mais proativas e preditivas, assim como garantir maior transparência em relação aos ambientes digitais e serviços.

Especialistas internacionais são unanimes em dizer que a observabilidade é fundamental para promover a evolução do Poder Público em busca de eficiência. Por meio da análise de dados em tempo real, pode-se identificar e solucionar problemas, aperfeiçoar a qualidade dos serviços e promover melhores práticas para otimizar o desempenho dos órgãos governamentais.

Um dos principais benefícios do uso da observabilidade para o setor público é a promoção de uma cultura colaborativa entre os gestores, a área de desenvolvimento de sistemas, as equipes de segurança da informação e os times de operação. Além de permitir a inovação, ajuda na redução de custos e no equilíbrio das cargas de trabalho de missão crítica. Otimizar e automatizar o fluxo de respostas e o fornecimento de informações para a população são fatores importantes que precisam ser implementados para beneficiar o acesso a áreas altamente demandadas como saúde, educação, segurança, justiça ou infraestrutura.

É humanamente impossível acompanhar o funcionamento de todos os sistemas do Governo brasileiro. Nem um enorme número de técnicos, trabalhando todos os dias do ano, conseguiria fazer esse trabalho de forma manual, até mesmo porque, segundo a plataforma Gov.br, há mais de 4.000 diferentes serviços digitais sendo oferecidos à população pelo Governo. O Brasil já é o segundo país do mundo em serviços digitais, ficando atrás apenas da Coreia do Sul. Essa jornada de digitalização gera uma economia anual de R$ 4,6 bilhões e os avanços devem continuar se os órgãos públicos brasileiros conseguirem transmitir segurança e confiabilidade para a população.

A digitalização da sociedade avança de forma crescente, resultando na disponibilização de dados pessoais de grande parte dos cidadãos. Com o maior uso do meio virtual para transações e demais atividades, observa-se o aumento da vulnerabilidade, com maior risco de incidentes cibernéticos. Assim, garantir a proteção e a autonomia dos dados pessoais sem provocar externalidades negativas à economia é fundamental para uma sociedade digital segura.

Com a adoção em larga escala e integração de tecnologias digitais disruptivas, como 5G, Internet das Coisas, Cloud Computing, Inteligência Artificial, Data Lakehouse e Blockchain, a observabilidade torna-se ainda mais primordial para manter funcionando até os ecossistemas mais complexos, entregando e permitindo interações perfeitas. As mudanças digitais seguem em ritmo nos governos, que mais do que nunca estão sendo desafiados para criarem cidades inteligentes (Smart Cities) capazes de diminuir em até 20% o consumo de água, em 15% os problemas com resíduos não-recicláveis, em 15% o tempo de deslocamento no transporte público, em 30% a violência urbana e até em 20% as respostas a chamados de emergência.

A paciência da população com serviços lentos está terminando, ao mesmo tempo que a complexidade dos sistemas aumenta. Em paralelo, aplicações, arquiteturas em microsserviços, ambientes Cloud e novos sistemas estão mais dinâmicos e difíceis de serem acompanhados pelos técnicos. A observabilidade faz sentido para reunir numa única plataforma inteligente toda a gestão das estruturas governamentais, entendendo realmente o que os alertas significam, como eles devem ser priorizados para ajustes e como as informações podem ser úteis para incremento das ações.

Com automação e Inteligência Artificial, é possível acompanhar todo o aparato tecnológico de forma automática e integrar diferentes fontes de dados em formato causal com mecanismo de processamento massivamente paralelo, incluindo dados de telemetria OpenSource, para entrega de respostas a consultas analíticas com latência mínima. As análises em contexto causal suportam volume, velocidade e variedade de dados em escala exponencial, verificando as interdependências de toda a pilha tecnológica full-stack, baselines e padrões de comportamento nos mais diversos ambientes. Todo o ruído pode ser suprimido automaticamente, isolando apenas os problemas e as vulnerabilidades que afetam serviços para acionar os alertas, indicando a causa raiz identificada com precisão e de uma maneira quase cirúrgica. Com a ajuda da tecnologia, as equipes técnicas conseguem melhorar a funcionalidade e a segurança de seus ambientes digitais, tendo condições para direcionar o foco do trabalho para inovação e geração de melhores resultados governamentais.

Uma recente pesquisa que fizemos com diretores de tecnologia ao redor do mundo comprova isso. Quase três quartos (71%) dos CIOs (Chief Information Officer) acreditam que a explosão de dados produzidos por pilhas de tecnologia Multicloud, com abordagem em várias nuvens, está além da capacidade humana de gerenciamento. Sem dúvida, com observabilidade é possível se posicionar à frente do mercado nessas questões, modernizando os ecossistemas para se obter alta performance nas entregas de serviços para a população e na tomada de decisões.

Sabemos que os dados por si só não melhorarão o bem-estar das pessoas, mas eles podem, sim, aperfeiçoar resultados sociais e econômicos, ainda mais se utilizados para gerar informações úteis que ajudem a aprimorar as percepções dos representantes do governo e da sociedade como um todo. Diante disso, não há dúvidas que a jornada da observabilidade pode mudar positivamente as estruturas governamentais, contribuindo para a criação de um País melhor para todos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *