JUSTIÇASANTA CATARINA

Procuradas como vítimas de sequestro, amigas eram cúmplices em assalto na Pinheira

Palhoça (SC) – A 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) manteve a condenação de dois homens e duas mulheres por assalto ocorrido na Praia da Pinheira, em Palhoça. O crime ocorreu em 4 de setembro de 2021. As vítimas foram dois homens que tiveram pertences e carro levados. Eles foram ameaçados por armas de fogo, uma enxada e uma foice.

As garotas serviram de “isca” para atrair as vítimas. Os assaltantes valeram-se da relação amorosa que um dos rendidos tinha com uma das jovens denunciadas. Ela dissimulou a intenção criminosa do grupo e combinou encontro noturno na afastada residência praiana da família da vítima, onde passariam o final de semana. O plano contava ainda com a presença da segunda ré, fazendo-se interessada em relacionamento ocasional com o segundo rendido, amigo do primeiro.

Por volta das 23h40min, um automóvel Gol parou de surpresa em frente à casa. Os dois rapazes foram rendidos na varanda da residência pelos dois réus e mais dois comparsas, mediante grave ameaça. Já no interior da morada, os denunciados impingiram grande temor às vítimas, que foram ameaçadas de morte. Os assaltantes passaram a lançar chamas sobre as cabeças e pernas das vítimas com o uso de um isqueiro e de um repelente.

As agressões continuaram com chutes em suas cabeças e golpes com o cabo de enxada. Por fim, os dois jovens foram amarrados com pedaços de pano e fios de telefone. Foram levados os celulares e os pares de tênis das vítimas, uma jaqueta, um narguilé, um relógio, dinheiro e cartões de débito, bem como o carro de um dos jovens. As garotas que também estavam na casa, para disfarçar, foram levadas pelo grupo como “sequestradas”.

No dia seguinte, a partir de informações do setor de inteligência, Policiais militares abordaram o Gol visto na cena do crime. Além do jovem condutor, que posteriormente foi reconhecido pelos agredidos, as duas amigas – até então presumidas vítimas de sequestro – se encontravam no carro. Parte dos objetos roubados também foi encontrada no interior do automóvel.

Em primeiro grau, um assaltante foi condenado a 14 anos, seis meses e 19 dias de reclusão, e um segundo a 10 anos, oito meses e 10 dias de reclusão. Os outros dois homens que participaram do crime não foram identificados. Já as duas rés foram condenadas a 12 anos, cinco meses e 21 dias de reclusão cada. Os quatro terão que cumprir pena em regime inicial fechado.

Todos apelaram das sentenças para pedir a absolvição por ausência de provas. No entanto, o desembargador que relatou o apelo junto à 2ª Câmara elencou inúmeros documentos comprobatórios, que vão desde depoimentos, passando pelo reconhecimento fotográfico e chegando às conversas por aplicativos de mensagem, para rechaçar a intenção da defesa.

“É evidente e notório, portanto, o conluio de ambas as rés com os demais agentes/corréus, até porque, e não menos importante, a atitude delas após o delito foi bastante peculiar, para usar de eufemismo, uma vez que não comunicaram qualquer órgão público a respeito do roubo, tendo sido encontradas somente no dia seguinte voltando de um luau (na companhia de um réu e na posse da res furtiva, repita-se)”, destacou o relatório. O voto do relator foi seguido pelos demais integrantes da 2ª Câmara Criminal.

Assessoria/TJSC

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *